Tratamento do Alcoolismo em Fase de Mudança


«Em Portugal existem mais de um milhão e 300 mil portugueses com problemas de álcool e o novo ano, cumprindo o dito popular, será de vida nova para o tratamento do alcoolismo em Portugal. Está elaborada a lei orgânica do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) que contempla a integração dos centros regionais de alcoologia, mas só este mês se vai iniciar o "trabalho fino" de discussão do modelo a adoptar, numa fase em que se prepara um mega-inquérito à população estudantil e um novo plano de acção contra o alcoolismo.


Manter a especialização dos centros de alcoologia, aproveitando a sua mais-valia na formação dos técnicos dos centros de atendimento de toxicodependentes (CAT), é a filosofia defendida por João Goulão, presidente do IDT. Os três centros deverão continuar a receber os doentes mais difíceis, mas no ambulatório esperam-se ganhos de proximidade para o doente basta dizer que existem 47 CAT espalhados pelo país.


João Goulão sabe que "as mudanças não se fazem por decreto e há todo um trabalho a fazer para evitar a estigmatização [de doentes alcoólicos]". Salienta, contudo, que preconceitos não fazem sentido, porque "os mecanismos de tratamento de dependências não são muito diferentes no caso de substâncias lícitas ou ilícitas".


A opinião é partilhada por Domingos Neto, director do Centro Regional de Alcoologia do Sul (CRAS), que considera prejudicial a permissividade social em relação ao álcool. "Se alinharmos em preconceitos, os doentes não poderão ser atendidos nos centros para não serem estigmatizados, não poderão ser atendidos nos serviços de psiquiatria porque não são doentes mentais, nem nos CAT porque não são toxicodependentes", comenta.»



Fonte: Jornal de Notícias de 03.01.07 [ver notícia completa]


 


 

publicado por MAV às 22:58