Justiça para quê...

... é uma mulher portuguesa... com certeza...

«Não há providências cautelares que possam interromper o processo de avaliação»
publicado por MAV às 00:43