da estatística...

Sabe-se hoje que,

«Os 20 por cento mais ricos têm 6,1 vezes mais rendimentos do que os 20 por cento mais pobres, segundo os resultados provisórios do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento (EU-SILC) do Instituto Nacional de Estatística (INE), realizado em 2008 mas que incidiu sobre os rendimentos de 2007. No ano anterior, eram 6,5.» [link]

Para além disso,

«A população residente em situação de risco de pobreza mantinha-se o ano passado nos 18 por cento. “O impacto das transferências sociais (excluindo pensões) na redução da taxa de risco de pobreza foi de aproximadamente seis pontos percentuais”, salienta o INE. Se considerássemos apenas os rendimentos do trabalho, de capital e transferências privadas, “41 por cento da população residente em Portugal estaria em risco de pobreza”.» [link]

Embora sejam notícias relativamente positiva (relativamente porque seria preferível a sua não necessidade), visto significar que as prestações sociais estão a servir para alguma coisa e, pelo menos, o risco de pobreza nao ter aumentado...

Isto por um simples motivo: a diminuição da diferença dos rendimentos pode estar relacionado com um maior aumento dos rendimentos dos mais pobres ou com uma maior diminuição dos rendimentos dos mais ricos... A informação do INE não esclarece este aspecto.

Recordo apenas uma mera reflexão estatística, se eu comer um frango e uma pessoa que esteja comigo não comer nada, estatísticamente, em média, ninguém tem fome porque comemos meio frango cada...

publicado por MAV às 12:46