Memória

http://www.publico.clix.pt/





Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a fúria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade no meu sofrimento.

 



Outros, felizes, sejam rouxinóis...
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que há gritos como há nortadas,
Violências famintas de ternura.

 



Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legitima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.


http://viadupla.weblog.com.pt/EM 12 DE AGOSTO DE 1907. NASCIA A "MEIA DÚZIA DE PASSOS" DO LOCAL ONDE ESCREVO, ADOLFO CORREIA DA ROCHA.

TINHA "TUDO" PARA SER UM ILUSTRE DESCONHECIDO, NÃO FOSSE A SUA FORMA DE VER, SENTIR E PENSAR A SUA TERRA E O SEU MUNDO. E A SUA CAPACIDADE DE COLOCAR ESSES MESMOS SENTIMENTOS EM PROSA E POESIA.

DISSE UM DIA, QUE O HOMEM NASCE, VIVE E MORRE SÓ. MAS ELE NUNCA ESTARÁ SOZINHO, AS SUAS PALAVRAS ESCRITAS FAZEM PARTE DA VIDA DE UM PAÍS E DE UM POVO, QUE SE ORGULHA EM TER SIDO O SEU BERÇO.

MIGUEL TORGA FARIA HOJE 100 ANOS DE IDADE...
publicado por MAV às 23:21