e agora, josé? (ii)

atrás tinha referido, mesmo com as declarações do representante do PS.-Açores na ressaca da declaração ao país de Cavaco Silva, que José Sócrates não deveria estar interessado em entrar numa guerra política com a presidência da república na entrada para a sessão legislativa, que não será (pouco) mais do que campanha para as europeias, autárquicas e legislativas de 2009.

Contudo, ficamos hoje a saber que Carlos César só aceitou recandidatar-se ao cargo de presidente do governo regional dos Açores depois de ter a garantia de que o PS iria apoiar a proposta que agora Cavaco criticou.

Falta agora saber que caminho vai seguir Sócrates, sendo certo que interessar-lhe-á mais manter "calma" a presidência da república, do que o PS.-Açores.

 

Sempre pode fazer como nas últimas eleições regionais na Madeira, ou seja, NADA FAZER...

publicado por MAV às 23:53